Sábado, 1 de Agosto de 2009

A gênese

Em 1999, nos estertores do século XX, ouviu-se um grito no Espaço Cultural João Goulart (Niterói). Foi um grito breve, mas potente e de natureza plural, pois a diversidade encontrava-se num mesmo ponto: o de interseção.Surgia então o grupo que leva este nome. Nascido da urgência de se produzir arte, apesar de se viver (e sobreviver) no absurdo cotidiano.

 

Depois do grito inicial, o silêncio para se perscrutar o existir das coisas. E, para não forçar muito a voz, alguns sussurros nas contendas diárias de cada integrante do grupo: o blog “Idéias à Deriva”, a revista eletrônica “O Cupim de Ferro” e os debates acadêmicos “Conversando Literaturas”. Agora um grito novo se anuncia, ainda mais alto e claro. Que se fará ouvir na cáustica realidade das palavras de Máximo Heleno, na temperada sutileza da poesia de Luiz Antonio França e na neurótica produção plástico-verbal de Marcelo Souza. Além da expressão latente de outras vozes que naturalmente surgirão para aumentar ainda mais o coro. Pois quem vive neste mundo sabe: ainda há muito para se gritar. Muito prazer. Interseção.

Quem somos:
publicado por Interseção às 01:36

link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Marcelle Nascimento a 4 de Abril de 2012 às 15:50
Salve Grupo Interseção!

Espero e desejo que todos estejam muito bem e produzindo muito para que seja justificada a demora na abertura da temporada 2012; afinal, já estamos em abril...

Forte abraço a todos e ao Máx, um beijo,
Marcelle.

Comentar post

visitantes

Contador de visitas

Quem somos

a gênese(1)

luiz frança(1)

marcelo souza(1)

máximo heleno(1)

todas as tags

Edições anteriores

Dezembro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009