Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2010

...

6ª edição - ano II - Janeiro / 2010

 

Olá, amigos! Bem-vindos

boa leitura!

______________________________________________________________________________________

 

 

Café Versailles 
 
 
 

Numa noite, no Café Versailles, sentou-se à mesa um casal de pingüins. Pediram café, batatas fritas e bananas secas. Comeram tudo com muita calma, enquanto olhavam as sancas do teto que lhes transportavam a um tempo de antes. Num certo momento, lembraram-se de que eram gatos e começaram a se lamber indecentemente. Então, quando já não havia mais jeito, pularam pela janela onde havia uma cortina de renda branca, e ganharam a noite.

 

[  Marcelo Souza  - 2008  ]

 

______________________________________________________________________________________

 

 

Tentativa nº 4 de Poesia a duas vozes e quatro mãos

 

 

 

Você é linda.
Como?
Como "como"?
Como linda?
Como "como linda"?? Ora, como... como... como tudo.
Como cheiro, como toco, como bebo, como como.
Como, como, como, como...
Linda como vejo... como encosto, como aperto, como amasso, como mordo, como mastigo.
Linda como cheiro, como escuto, como ausculto...
Linda como imagino, como sinto. Como realizo.
Linda como respira, como transpira, como derrete. Como arfa.
Linda como suspira. Como levita. Como me inspira. Como goza.
Linda como se encaixa. Como se deixa. Como me acha. Como desliza. Como oferece, como conquista.
Linda como avança...

Você é linda.
Linda como se abre, como me cabe, como me abarca, como me inunda.
Linda como me toma, como me leva, como me doma.
Linda como... como...
Linda como suas mãos, como pés, boca, olhos, nariz, ouvidos, seios... como...
Linda como Mulher, como menina, como ser.
Linda como Presente, como vive, como modifica.
Linda como viço...

Linda como... ...
Cabelos, pelos, como gritos, como saliva...

Como orvalha, liquefica, brasa... viva...

Linda como me acende, me dobra, me amplia... me envolve, como me dissolve...
Me esvazia.
Linda como me some... soma. Soma. Soma...
 

[  Máximo Heleno  -  2010  ]
 

______________________________________________________________________________

 

 

Poema
 
 
 
O braço da mulher
 
Em devagar fotogenia de Besson
(des) abraça.
 
A tarde noitinha na íris cópula.
O punhal sujo rubro desse ósculo
Viola o ciclo
 
O amor fecundo é branco mênstruo.
 
[  Luiz França  - 2005/06  ]  
_____________________________________________________________________________________

 

 

 

 

publicado por Interseção às 01:22

link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De Toninho Moura a 2 de Fevereiro de 2010 às 00:43
Muito legal a edição de janeiro! Gosto e recomendo.
Duas coisas:
1) Vai rolar uma edição para/com convidados este ano?
2) O Dicas Sobre Nada voltou de férias. Passem lá para ler "Brincando de criar planetas".
Braços para todos!
De Interseção a 4 de Fevereiro de 2010 às 03:04
Fala, Toninho!

Primeiramente, queria agradecer a sua sempre presente generosidade e motivação.

Segundamente, respondendo às suas questões:

1) Sim, com certeza haverá edições especiais com a participação dos amigos convidados neste ano. Só falta as coisas se assentarem, pois estamos em período de reorganização da rotina (período pós-férias. rs.).

2) Li o seu texto e deixei um comentário lá no blog. Texto belíssimo. Parabéns!

Grande abraço!
Marcelo

Comentar post

visitantes

Contador de visitas

Quem somos

a gênese(1)

luiz frança(1)

marcelo souza(1)

máximo heleno(1)

todas as tags

Edições anteriores

Dezembro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009