Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

...

7ª edição - ano II - Fevereiro / 2010

 

Olá, amigos! Sejam bem-vindos!
 
Agora que as folias de Momo se foram e o ano começa de verdade, aqui estamos mais uma vez em nossas tentativas cotidianas de reflexão, poesia e arte. E apesar da ressaca e das inúmeras batalhas que ainda virão no decorrer do ano, combateremos o bom combate.
  
Grande abraço a todos e boa leitura! 

 

_______________________________________________________________________________________

 

Big Brother

 

 

 

Isso mesmo, meu irmão!

Seja grande!
Seja big, brother!
Você pode!
 
Basta olhar pra câmera
e sorrir,
sem vergonha ou medo,
se exibir.
 
Mostre bem ao mundo
o seu rosto,
o seu corpo e seus desejos,
o seu gosto.
 
Escancare a todos
sua alma
e abra mão também
da sua calma.
 
Você não precisa de paz,
você tem mais!
Tem mais fama que os outros filhos
dos teus pais.
 
Não precisa nem saber falar
e nem mesmo ter o que dizer.
Ninguém liga a TV pra se informar.
Todos querem apenas se entreter
assistindo você no paredão,
suplicando por clemência como um cão.
 
Todos querem te ver
sob o edredom.
Vasculhar sua intimidade
é muito bom.
 
Todos querem te olhar
no ofurô.
Privacidade é uma coisa
que acabou.
 
Todos querem te ver
dissimulado
pra não ser no final
eliminado.
 
O que dá audiência
é um mar de lama,
pra ver quem fica por último
no programa.
 
E o mais triste, meu irmão,
que isso tudo revela,
é que você não se sente ninguém
se não estiver em close up na tela.
 
E mesmo fora dela é a mesma porcaria:
a vigilância se tornou epidemia.
Na avenida, elevador ou portaria
existe sempre um aviso de: sorria... 
 

[  Marcelo Souza  ]

______________________________________________________________________________________

 

 

Tentativa de poesia 3475

 

 

 

Eu lembro, vagamente... era dia e eu era livre.
Eu pintava o sol com pássaros feitos de rabiscos.
E por rabiscar mais e mais, eu me tornei o rei dos rabiscos.
E isso é ser mais livre que um desenhista.
 
Acho que era verão... foi antes das artes plásticas nascerem.
 
Eu lembro que, bem pequenininho, eu inventei um teatro
E preparava as peças sem saber ler nem escrever,
E, então, eu tinha um grande talento e era o diretor e o ator.
Eu era o público e o crítico e batia palmas pra todas as minhas peças.
 
Saber ler também me analfabetizou.
 
E um dia, não sei como, uma máquina fotográfica parou nas minhas mãos.
E, então, eu possuí o mundo.
Eu captava tudo com os meus olhos de super-herói.
Tinham as cores e as cores eram minhas.
Tinha a menina bonita – e ela era minha, no meu teatro, dentro do meu dia,
Dentro da máquina fotográfica dos meus olhos.
 
Tenho certeza, era verão porque nunca anoitecia. Nunca dava a hora de entrar.
 
E eu descobri a música estrangeira e descobri que também falava inglês.
Vejam só, eu sabia falar inglês, francês, espanhol e todos os outros idiomas – embora poucos ouvissem os outros idiomas.
Era só ouvi-los uma vez e, pronto, eles eram meus.
 
Sim-sim, com certeza era verão porque eu nunca fiquei gripado.
 
Com a vassoura de casa, eu toquei minha guitarra no palco do Maracanã.
Com a minha banda, a gente botava pra quebrar e balançava os cabelos e fechava os olhos.
E pulava, e corria.
 
Foi antes da faculdade de música.
 
Ah, e quantos campeonatos de futebol eu ganhei no Maracanã??!!
Caramba!! Fiz um gol de bicicleta, depois de um toque de calcanhar e de ter agarrado um pênalti, depois que o goleiro se machucara... Caramba!!
E os meus amigos me abraçavam e a gente sempre comemorava no meu teatro...
 
Era verão sim porque todos eram livres e não estavam doentes.
 
E a gente fazia planos e mais planos e mais planos.
A gente até fez o plano de fazer planos pra vender...
 
Claro que era verão porque não tinha professor e as pessoas sabiam.
 
E eu tinha três desejos e, no último, eu pedia mais três e assim enganava o gênio.
E usava todos pra pedir pro outono não chegar...
 
É.... foi assim... eu bem me lembro... 
 
[  Máximo Heleno  ] 

_____________________________________________________________________________

 

 

Na casa de Irene 
 
 
Achada a carne entre os desejos, não havia aquele véu intermediário e esperado. Não era um conto, nem uma fábula sonhada. De alguma maneira sabia disso ainda que não pensasse. Até porque o tempo inexistia naquele cubículo: o vôo ágil da mariposa insistente, a cor azeda das paredes, o cheiro forte e acre em movimento, a penumbra transformada em sua íntima semântica, o calabouço típico de um prazer assimilado. Tudo ao mesmo tempo e às avessas.
 
Um corpo: nítido. Que a palma tateava sem conforto. Era preciso ser direto, por sua expectativa, pela praticidade dela, pela recorrência do fato. Quantas vezes calculado o passo? A decisão certeira – deveria indagá-la de sua herança de bonecas? Em meio ao mantra confuso de pensar e agir, sorriu imperceptivelmente – ela lhe responderia um palavrão. Ou também ela sorrira? 
 
Consultar então o relógio, cometer aquela boca tão convidativa ao ato. Urge proteger-se, urge armasse, listar paradigmas usuais – sujar-se com todo o proeminente cuidado. Espanhola à brasileira. Falo ereto, felação ligeira – faltou aquela cerveja a mais, um choque a mais no corpo e no espírito.
 
Por fim, pagar; que a hora é alta, a noite quente, e a fila anda.
 
[  Luiz França  ]  
_____________________________________________________________________________________

 

publicado por Interseção às 00:21

link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Toninho Moura a 18 de Fevereiro de 2010 às 00:56
Cada vez melhor! Parabéns a todos!
De Interseção a 18 de Fevereiro de 2010 às 21:03
Valeu, Toninho, pela força de sempre.
E quando teremos a continuação do "Brincando de criar planetas" ?
De Toninho Moura a 11 de Março de 2010 às 01:13
Aí camaradas do Interseção, beleza?

Duas coisas:

Passem lá no Dicas para ler "Mad About The Boy". Vão gostar.

Que tal, uma vez por ano, em um mês qualquer, uma edição só com convidados?

Braços!

Comentar post

visitantes

Contador de visitas

Quem somos

a gênese(1)

luiz frança(1)

marcelo souza(1)

máximo heleno(1)

todas as tags

Edições anteriores

Dezembro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009