Quinta-feira, 2 de Junho de 2011

...

20ª edição - ano III - Junho de 2011

 

Olá, amigos!

 

Demoramos um pouco, mas aqui estamos novamente para compartilhar

com vocês os novos trabalhos do nosso blog. Como sempre, sintam-se à vontade

para visitá-lo e participar com seus comentários.

 

Uma forte abraço!

 

______________________________________________________________________________________

 

 

Derramamento

 


 
E deus ganhou de deus
E fez você*
- e finalmente descansou.
Depois de tanto ensaiar,
Fez você
- a grande obra
- e finalmente fez o domingo e foi pescar.
 
E o céu tem nome – o teu*
E as flores se abrirão pra sorrir
Ao lembrar de ti – igual a lua, igual a mim.
 
E eu que não estou quando você não está
- eu nem mesmo sou.
Você que é o meu altar e a minha hóstia*
Que é o meu batismo e minha Meca
- que é “como um deus, princípio e fim”.*
Meu princípio, meu sim*
 
- Vamos, refaçamos o mundo.

 

[  Max Heleno  ]


______________________________________________________________________________________

 

 

Hoje os monstros foram dormir

 

 

Hoje os monstros foram dormir.

Então, posso respirar bem fundo,

sentir o cheiro da noite virgem

e saber das sete existências do mundo.

 

Hoje os monstros foram dormir.

Deixando-me a sós com as estrelas

que nesse momento sorriem

e me fazem pensar: “posso tê-las!”

 

Hoje os monstros foram dormir.

E, assim, todo sonho disperso

pode ser costurado, um a um,

sob a minha pele... o meu verso.

 

Hoje os monstros foram dormir.

Até aqueles mais domesticados.

Tornando mais leve o meu peso

na balança que mede os pecados.

 

Hoje os monstros foram dormir.

Mas só hoje, provavelmente.

Amanhã talvez voltem insones

em sua grave rotina demente.

 

Mas hoje, o que mais importa,

é que os monstros foram todos dormir,

deixando-me aberta uma porta

pra que eu possa da terra emergir.

 

[  Marcelo Souza  ]

 

______________________________________________________________________________________

 

 

Poema

 

 

O poeta enroscou-se

Dentro de si

É um lar que freqüenta

Camas e caramujos.

 

O poeta rodamoinho

Lança seu inventário:

É um arco fora do ninho

Em queda de dicionário.

 

[  Luiz França  ]

 

 

______________________________________________________________________________________

 

 

 

 

publicado por Interseção às 04:42

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

visitantes

Contador de visitas

Quem somos

a gênese(1)

luiz frança(1)

marcelo souza(1)

máximo heleno(1)

todas as tags

Edições anteriores

Dezembro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009